Das 13h às 15h - Boa Tarde 99

 

 

 

Cotação do Dólar

Previsão do Tempo

Entre em Contato

Centralina-MG

(34) 3267-2100(34) 3267-2100

Itumbiara-GO

(64) 3404-8300(64) 3431-9930

Endereço Para Correspondências
Av. Trindade, 585 - Sala 10
Centro
75503530
Itumbiara-GO

Notícias

Hong Kong suspende o embargo e volta a importar carne brasileira
Por Guilherme Dias
Publicado: 28 Março, 2017

Hong Kong voltou atrás e reabriu a compra de carne brasileira - que estava suspensa por causa das investigações reveladas pela operação carne fraca. O país é o maior importador de carne bovina do Brasil. Só os produtos dos 21 frigoríficos investigados ainda continuam com a importação suspensa.


O governo de Hong Kong informou também que se o governo brasileiro der mais detalhes sobre a situação desses 21 frigoríficos, o centro de segurança alimentar vai fazer uma nova avaliação. O país analisou 66 amostras de carne brasileira que chegaram nos portos de lá recentemente e constatou que nenhuma delas apresentava problemas.

O governo comemorou a volta de Hong Kong ao mercado brasileiro. Em nota, o Palácio do Planalto disse que com essa medida, todos os grandes mercados para exportações de carnes brasileiras encontram-se novamente reabertos. E que a reabertura confirma a qualidade e a solidez do sistema sanitário nacional.

Para tentar convencer também a União Europeia, que bloqueou a compra dos 21 frigoríficos investigados, o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, se encontrou hoje com o comissário de saúde da União Europeia.

O encontro já estava marcado antes da crise da carne brasileira estourar. A reunião era para falar de uma cooperação técnica para combater micro-organismos, mas o assunto principal foi a suspensão da importação da carne brasileira. O comissário elogiou a atuação do Brasil.

Ontem, Maggi disse que as análises preliminares - feitas nos três frigoríficos interditados na semana passada - dois da Peccin, e uma unidade da BRF, em Mineiros, Goiás - não indicaram risco ao consumo. O resultado de todas as 174 amostras de carne recolhidas nos 21 frigoríficos investigados está previsto para duas semanas.

Fonte: g1.globo.com