Das 13h às 15h - Boa Tarde 99

 

 

 

Cotação do Dólar

Previsão do Tempo

Entre em Contato

Centralina-MG

(34) 3267-2100(34) 3267-2100

Itumbiara-GO

(64) 3404-8300(64) 3431-9930

Endereço Para Correspondências
Av. Trindade, 585 - Sala 10
Centro
75503530
Itumbiara-GO

Notícias

Sucessor de Pedro Barusco na Petrobras é preso na 39ª fase da Lava Jato
Por Guilherme Dias
Publicado: 28 Março, 2017

Um ex-gerente da Petrobras foi preso na 39ª fase da Lava Jato, que nesta terça-feira (28) cumpre seis mandados no Rio de Janeiro. Segundo a Polícia Federal, o mandado de prisão preventiva de Roberto Gonçalves era para o Rio, mas ele foi preso em Boa Vista, Roraima.


Roberto Gonçalves sucedeu Pedro Barusco – condenado na operação por lavagem de dinheiro, associação criminosa e corrupção – como gerente-executivo da área de Engenharia e Serviços da Petrobras, onde atuou no período de março de 2011 a maio de 2012. "Na sucessão do cargo também se passou o bastão da propina", afirmou o procurador Roberson Pozzobon. Segundo a investigação, Gonçalves usava offshores na China e nas Bahamas para dissipar valores de propina recebidas.

Gonçalves já vinha sendo investigado pela força-tarefa da Lava Jato a partir de apurações internas na Petrobras e também por depoimentos prestador por delatores. Em novembro de 2015, ele havia sido preso temporariamente na Lava Jato. Na época, segundo Pozzobon, Gonçalves negou ter contas no exterior.

Dessa vez, a investigação recebeu documentos das autoridades suíças que, segundo o Ministério Público Federal (MPF) no Paraná, apontam que Gonçalves teria contas no país para ocultar o recebimento de propina. Com essas provas, foi solicitada a prisão preventiva do ex-gerente da Petrobras. Diferentemente da prisão temporária, na prisão preventiva, não há prazo para liberação do suspeito.

Ricardo Pessoa, dirigente da UTC, e Mario Goes, operador financeiro do esquema, disseram nas delações premiadas que pagaram propina para Gonçalves. Segundo o MPF, eles apresentaram documentos de quatro depósitos de US$ 300 mil feitos no exterior, a partir de uma conta em nome da offshore Mayana Trading, mantida por Goes.

Nesta nova fase da Lava Jato também foram usadas informações das delações premiadas de ex-executivos da Odebrecht e de Pedro Barusco.

De acordo com o despacho do juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato na primeira instância, Rogério Santos de Araújo – delator da Odebrecht – disse que Roberto Gonçalves repassava à Odebrecht informações sigilosas em outros contratos da Petrobras. Nesta decisão, Sérgio Moro autorizou a deflagração da 39ª etapa da operação.


Fonte: g1.globo.com